terça-feira, 12 de abril de 2011

CARTA DOS ESTUDANTES DO ICED À COMUNIDADE ACADÊMICA DA UFOPA

Os discentes do Instituto de Ciências da Educação - ICED, da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, em Assembleia realizada no dia 05 de abril de 2011 às 18:00 horas, no Auditório Wilson Fonseca, posicionaram-se contra a Portaria Nº 1.013, de 19/03/2011, que instaura sindicância e abertura de processo administrativo disciplinar (PAD) contra os estudantes da UFOPA que participaram de um Ato Público durante a Aula Magna realizada no dia 18 de março de 2011 aos novos estudantes.
Acreditamos que uma Universidade pública e de qualidade deve ser construída com base no tripé: Ensino, Pesquisa e Extensão. Porém, mais do que isso, entendemos que a forma como a Universidade se constrói deve levar em conta os anseios e necessidades da comunidade acadêmica e da comunidade em geral, o que não vem acontecendo, tendo em vista que esse modelo acadêmico foi imposto de forma despótica em nossa instituição, sem consulta a população e sem uma discussão sobre a sua adequabilidade para a nossa região.
São fundamentais na construção de uma nova Universidade o respeito às diferenças, à democracia, à liberdade de expressão e acima de tudo o diálogo, algo em falta na UFOPA. É vergonhoso ver o posicionamento da Reitoria perante as críticas: sempre que o estudante se posiciona contra suas atitudes e imposições, ela o penaliza, criminaliza-o; ao invés de estar aberta a discussões que é o normal em uma sociedade livre e democrática. E, mais vergonhoso ainda, é ver que muitos de nossos mestres, que possuem a mente aberta para determinados temas, mostram-se incapazes de discernir os fatos, aceitando em participar das comissões que investigarão as ações democráticas ocorridas.
Nós estudantes precisamos de uma política de assistência estudantil que satisfaça nossas necessidades e isso não se resume a Bolsa Permanência; precisamos de livros de qualidade na biblioteca e ter acesso a esses livros; precisamos de RU, de alojamentos, de financiamentos para eventos acadêmicos; precisamos de um modelo acadêmico que verdadeiramente satisfaça às necessidades da região e não seja apenas uma fábrica de diplomas que se preocupa em formar o maior número possível de profissionais, sem se preocupar com a qualidade dessa formação (digam isso os futuros professores de história/geografia, física/matemática, biologia/química etc.), além de muitas outras necessidades. E, enquanto as nossas necessidades não forem atendidas, continuaremos sim a nos manifestar publicamente exigindo da Universidade o que dela temos direito!
Nós, estudantes do ICED, em defesa da nossa categoria, afirmamos a legitimidade do direito de manifestação por parte dos estudantes desta IFES e viemos, através desta carta, reiterar nosso repúdio e indignação perante os PADs que estão sendo instaurados contra nossos colegas discentes e mais ainda ao processo de criminalização do Movimento Estudantil que a Administração da Universidade vem promovendo. Estendemos, ainda, nosso apoio aos técnicos e ao professor que estão passando pela mesma situação de desrespeito pela Administração da Universidade.
Dessa forma, pedimos a imediata revogação dos Processos Administrativos Disciplinares.
Assinam os estudantes do ICED.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

A UFOPA/ ÓBIDOS, ONDE ESTÁ?

Óbidos situado ao lado esquerdo do rio Amazonas, é uma das cidades mais lembrada em época como: carnaval, festival do jaraqui, a festividade de Sant’Ana, seus igarapés e muitos outros pontos turísticos, todavia, é esquecida quando se fala em educação.

Os jovens que estão terminando o ensino médio que almejam por uma faculdade, infelizmente tem que morar em outras cidades, isso porque não temos uma universidade federal, que não seja paga. A vinda de um campi da UFOPA (Universidade Federal do Oeste do Pará), para nossa cidade seria muito plausível.

Evitaria a evasão das pessoas, e traria dessa forma, mas estabilidade a população, quanto a sua renda, pois os pais para manterem seus filhos longes arcam com as despesas mensais, ou seja, dinheiro que era pra circular na cidade, vai ser consumido em outra.

A quem diga que já existe um campi da UFOPA, em Óbidos, no entanto, essa informação não é verídica, pois o existente é um acordo entre outras universidades e a UFOPA, para aqueles professores que já atuam na área de ensino que ainda não possuem um nível superior, que desejam ingressar em sua área.

Não é, pois, para os alunos, sendo que afirmado pelo nosso “magnífico” prefeito, que já seja existente na nossa cidade, é como fechar as portas da cidade para os próprios moradores.

Além do mas, que só aumenta ainda mais entre universidade e sociedade, temos sim universidade em Óbidos, mas precisamos arcar o pagamento que não é essa a concepção de universidade que queremos.

Então, é por esse e por outros motivos que nós alunos exigimos a vinda de um campi da UFOPA, para o pólo de Óbidos, não é pois orgulho, e sim uma maneira de se sentir mas humano, mais cidadãos.

Escola Estadual de Ensino Médio São José


Curso: Sociologia

Série: 2º ano

Turma: 207

Turno: manhã


ALUNOS:

Sélen Rayane V. Oliveira

Sabrina Seixas da Silva

Adson Ronei da Silva Moraes

Alan Seixas da Silva

Caio Siqueira Faria

Deliane Freitas Viana

Diego Rodrigues da Rocha

Luciane Tapajós Ferreira

Marcos Felipe Feitosa Cardoso

Marlisson Monteiro de Souza

Nydia Cristina da Silva Monte

Patrik Santos de Siqueira

Pedro Barbosa dos Santos

Raimunda Ribeiro Cerdeira

Regiane de Aquino Figueira

Regivaldo Soares de Jesus

Ronildo Silva de Sousa

Ronilson de Andrade Franco

Rosimara Barroso Cardoso

Ruslan Viana de Albuquerque

Tiago Siqueira Mouzinho

Vanuza Silva de Oliveira

PROJETO UFOPA

O Município de Óbidos sempre apresentou um baixo nível de escolaridade, pois não oferece muitas opções quando se trata de faculdades. Dessa forma, os estudantes na maioria das vezes, para ingressar nas mesmas, sentem a necessidade de irem para outras cidades em busca de uma formação melhor, e assim, terem mais chances de entrar no mercado de trabalho de forma mais digna.


Em 2009, uma luz no fim do túnel brilhou. O sonho de termos uma universidade em nosso Município, “quase” se torna realidade. A UFOPA – (Universidade Federal do Oeste do Pará) teve a aprovação do seu projeto. Porém em 2010, o nosso sonho se estagnou, pois a construção do prédio nem saiu do papel. O desinteresse dos nossos governantes em relação ao ensino superior é assustador, uma vez que eles têm a responsabilidade de trazer melhorias para o município, no entanto, nem ao menos se importam com o futuro de jovens, que sonham progredir na vida.

Apesar de o nosso governante não dar a mínima para a construção do prédio da UFOPA, alunos e professores têm se mobilizado, entrando em uma luta que é para o bem da sociedade Obidense, exigindo o que é nosso por direito tendo em vista que o projeto UFOPA è lei sancionada. O que nos da respaldo para exigirmos a construção da universidade, que sem dúvida alguma só trará avanços para o município, facilitando a vida dos estudantes já que nem todos têm condições de estudarem em outros municípios.

Precisamos por um fim nessa irresponsabilidade, pois, já que o ano de 2010 está terminando, e muitos saindo do poder, pedimos ao nosso Poder Público que em 2011, a UFOPA em Óbidos seja uma realidade não somente no papel, como já foi mencionado, mas com seu prédio terminado e funcionado com diversos cursos, dos quais são dignos e merecedores os nossos estudantes obidenses.

Assim sendo, com a ajuda de Deus e do ENEM, mais vagas poderão ser ofertadas ampliando dessa forma as oportunidades para a formação de profissionais obidenses capacitados no mercado de trabalho. Por isso, não podemos nos acomodar, precisamos reivindicar nossos direitos e juntos erguer o projeto UFOPA em nossos ideais, e não aceitando que passeatas e outros movimentos de alunos sejam em vão.

Vale ressaltar que sendo o projeto uma lei, não era para estarmos “cobrando” já que é um dever de nossos governantes responderem pelo mesmo. Mas enquanto isso não acontece, continuaremos lutando. Participe você também, faça sua parte exija o que é seu por direito.

Escola Estadual de Ensino Médio “São José”


Turma: 206 Turno: Manhã

Disciplina: Sociologia

Profº. Márcio Rubens.

Alunos:

Arlene Marinho

Lediane da Cruz

Midiã Gomes

Erica dos Santos

Bruna Aiane Costa

Bruna Pereira

Paulla Luyenna

Cláudia Cardoso

Douglas Rocha

Rosiane Soares

Lailtom Barbosa

Lucélia Oliveira

ATE QUANDO TEREMOS QUE ESPERAR?

O Município de Óbidos apresenta muitas dificuldades, principalmente quando se trata da área de Educação. Os jovens não têm muitas opções para uma formação de qualidades, já que o nível de escolaridade é baixo. Os alunos que terminam o ensino médio, sonham com uma universidade, no entanto, por necessidades precisam deixar o município em busca de melhoria, para crescer profissionalmente e entra no mercado de trabalho.

Fato que não deveria ocorrer já que, veio para a cidade o projeto para construção de uma Universidade. Em 2009, o projeto UFOPA veio como um sonho para ser concreto, o que nos deu esperança, em 2010, a UFOPA tornou-se lei sancionada, o que aumentou, ainda, mas a certeza de melhoria na educação.

Mas na verdade, o que vemos e ouvimos que o desinteresse dos governantes, prejudica a concretização da obra. Dos quais estão no poder com a responsabilidade de trazer melhorias para o município, no entanto, tão pouco se importam com o futuro dos jovens estudantes, que sonham com um futuro digno.

Como lei a universidade já era para estar sendo ocupada por estudante que esperam um ensino de qualidade. Exigimos a construção do prédio da UFOPA. É um direito nosso, é obrigação do poder publico entregar o que é da sociedade obidense. Precisamos da universidade, para que haja ampliação de profissionais capacitados em nosso município, e que em 2011 o ENEM já possa oferecer vagas para a referida.

Esperamos que nossos valores sejam reconhecidos. É que no futuro possamos dizer que temos uma Universidade onde todos possam usufruir com orgulho e dignidade.



Óbidos-Pará

TURMA 206 MANHÃ

ANA JAQUELINE

AURINETE

ANDREZA CATARINA

UFOPA EM NOSSO MUNICÍPIO

É de vital importância a construção de um prédio onde funcionará a Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA, para que no ano de 2011 o ENEM possa inserir em seu calendário essa Universidade, com objetivo de preencher vagas com alunos que fizerem por merecer a convocação, pois, sabemos que a dificuldade é enorme para pessoas que terminam o Ensino Médio e pretendem cursar o nível superior, tendo que se deslocar para outras cidades, onerando com isso as despesas das famílias carentes, que muitas vezes sobrevivem com um misero salário mínimo.

Devemos juntar forças e procurar os nossos governantes tanto Federal, Estadual e Municipal, para que juntos possamos dar a continuidade neste projeto. Este sempre foi o anseio de nossa população, agora que conseguimos o tão sonhado projeto de instalação de Universidade em nossa cidade, devemos lutar por sua instalação definitiva.

De que adianta possuirmos planos e sonhos, se não podemos realizá-los, a UFOPA não é um favor que estão nos fazendo, é uma obrigação do governo para com seus governados, não podemos deixar que fique somente no papel, vamos lutar se for preciso, arregaçar a camisa e buscar a melhor maneira de sairmos vitoriosos nessa empreitada.

Para que consigamos alcançar nossos objetivos, devemos colocar em nossas cabeças palavras que não farão parte de nosso dicionário: Nada é impossível, difícil sim; nunca, pois é tempo demais; recuar, pois é bem melhor seguir em frente e não desistir, porque nada se consegue na vida sem luta e perseverança, temos que ser persistentes em tudo aquilo que almejamos, somente assim conseguiremos o mínimo do máximo que reivindicamos, tudo aquilo que almejamos, tudo é difícil, mas se unidos estivermos chegaremos ao ponto de achar que tudo é muito fácil. Devemos também lutar para extinguir de Óbidos, o adjetivo da Cidade do já teve, unidos sempre vencemos e conquistamos aquilo que queremos muitas vezes a custa de suor e lagrimas, não só dos alunos, também de nossos pais, que se sacrificam para nos educar e sonham em nos ver no topo da escala do sucesso, a Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, será o maior marco na historia da Educação desta cidade, dará oportunidade para todos, sem distinção de cor, raça, religião e classe social, todos estarão em igualdade de condições, então vamos seguir em frente, lutando em prol não só da construção do prédio, mas sim de sua instalação como dissemos, Definitiva.

Alunos da Escola Estadual de Ensino Médio São José.

Data:17 de novembro de 2010

Serie:2º

Turma:205

Turno: manha

Disciplina: Sociologia

Professor: Márcio Rubens

Alunos:
Adriele da Silva

Andressa Tainara Guimarães

Antonio Carlos Azevedo

Antonio Marcio

Daiane Gualberto

Dionatam Rufino

Elaine Cristina Borges

Elizangela Cardoso

Eveline Gato

Elton Pereira

Fernanda Soares

Fernado Venancio

Franciane Figueira

Franciele de Azevedo Pinto

Geovane Albuquerque

Isamara Vinente

Joelma Ribeiro

João Amaral

João Costa Silva Junior

Joerison Ferreira

Manuel Azevedo

Marcos José Moda

Maikson Paiva

Maik Cardoso

Naiana Cavalcante

Raquel Samara

Renessa Marinho

Rose Daiane

terça-feira, 23 de novembro de 2010

O que é o PARFOR? você sabe?

Dizem que o PARFOR que está funcionando na Escola Inglês de Souza é a UFOPA / Óbidos.
Mas você quer saber o que é realmente o PARFOR? entre no Link abaixo:

http://www6.seduc.pa.gov.br/planodeformacao/

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Estamos Voltando

Caros amigos de Óbidos, voltamos. Precisamos esclarecer algumas coisas.


No final do ano passado fomos acusados de sermos muitas coisas inclusive de incompetentes.

Mas, agora nos dias 06 e 07 de novembro de 2010 ficou claro para toda a população quem é realmente Incompetente. A resposta é clara, o incompetente é o Prefeito Municipal de Óbidos. Por que podemos dizer isso? Podemos dizer porque ele destituiu a nossa Comissão que pretendia Construi o Prédio da UFOPA (por que nós descobrimos toda a verdade) e disse na Rádio que iria construí-la de madeira. Pasmem-se. É que ele não sabe o que é uma Universidade, nunca estudou em uma e pelo visto não quer que o Povo de Óbidos possa estudar na UFOPA, haja vista que nos dias citados, ocorreu no País todo provas do ENEM de onde os melhores alunos podem ter acesso as Universidades.

Mas, para nossa surpresa NÃO EXISTE VAGAS PARA A UFOPA DE ÓBIDOS, o motivo real é que não temos ainda um prédio para a refrida Universidade.

Por isso estamos de volta por que pelo menos essa obra temos que ter assegurada, haja vista que nenhuma outra foi concluída na cidade.

Para isso dessa vez, chamamos a atenção de todos os obidenses, não é um caso de defender político A, B ou C, é o caso de defendermos o Município e a UFOPA dos políticos que prometem e não cumprem as promessas e não podemos perder a UFOPA-Óbidos por incompetência de prefeitos sem compromisso com a população.





Tapiraiawara

Carta de Agrdecimento

CARTA DE AGRADECIMENTO


Nós somos tecidos com o mesmo tecido com que se tecem os sonhos;
nossas curtas vidas são cercadas de sonhos.

William Shakespeare, A tempestade


Os membros da Coordenação da Comissão Pró-Construção da UFOPA nomeada pelo decreto nº 709/2009, de 16 de outubro de 2009 e destituída em 04 de dezembro de 2009, por ato do prefeito municipal vem por meio desta agradecer a todos os cidadãos obidenses que de alguma forma contribuíram com os trabalhos da comissão, desde que esta foi constituída a partir de uma assembléia popular realizada no dia 13 de outubro de 2009. Em especial aos senhores Miguel Imbelloni, Adnaldo Imbelloni, Eudes Silva, Giovani Giordano, Comunidade Escolar José Veríssimo, Rosa Silva, Marcos Moda, Ernesto Gallati, Leonardo Corrêa, Márcio Rubens, Nazaré Gomes, e outros anônimos que doaram ou manifestaram o desejo de contribuir e se unir num grande mutirão para a construção da UFOPA e que tiveram sua vontade cerceada. QUANTO A ESTA COMISSÃO, ABDICAMOS DE NOSSOS PRÓPRIOS AFAZERES PARA NOS DEDICARMOS A ESSA CAUSA NOBRE E HISTÓRICA PARA O NOSSO MUNICÍPIO.

É relevante esclarecer que apesar do pouco tempo que tivemos a frente desta missão não ficamos inertes, trabalhamos muito e avançamos progressivamente, e mais poderíamos ter feito se o apoio do poder público, fundamental para que tivéssemos êxito, não nos fosse negado, se os acordos tivessem sido cumpridos, inclusive no tocante ao fechamento de escolas quando a Assembléia popular já havia deliberado pela construção de um espaço, e pela busca de uma alternativa que evitasse o fechamento de escolas, se as informações verídicas tivessem chegado até nós. Exemplo desse descaso é que o espaço prometido para funcionamento da comissão não nos foi entregue, não tivemos acesso as contas destinadas a arrecadação de doações, a legalização do terreno de 25 hectares prometido pelo poder público para construção do prédio da UFOPA não foi levada a termo, e inúmeros outros entraves.

A comissão apesar das dificuldades enfrentadas e não por incompetência veio sim fazendo expressivas arrecadações que estamos devolvendo aos doadores e agradecendo a sociedade obidense que muito contribuiu para a construção da universidade no município, somamos ao final: 19.500 mil tijolos, 300 sacos de cimento, 10 carradas de pedra, 2 mamotes, um computador, 1 mês de salário do prefeito de Óbidos, a disposição da banda “brisa show” e das doações em contas correntes somam, segundo informações do próprio prefeito, apenas no banco do brasil, há depósito no valor de R$80,00 (oitenta reais). nós não nos desviamos do nosso compromisso que era: “ARRECADAR PARA AJUDAR O PODER PÚBLICO A CONSTRUIR A UNIVERSIDADE E NÃO PERMITIR O FECHAMENTO DE NENHUMA ESCOLA NO MUNICÍPIO”. ENTRETANTO ARRECADAR RECURSOS PARA CONSTRUIR, QUANDO JÁ SE TEM UM PRÉDIO (ESCOLA) PARA ABRIGAR A UNIVERSIDADE SE TORNA PRATICAMENTE INVIÁVEL, POIS QUEM DOARIA QUANDO HÁ A PERSPECTIVA DE FECHAR UMA ESCOLA PARA A VINDA DA UNIVERSIDADE?

A comissão nunca trabalhou contra a vinda da universidade, pelo contrário, nós queríamos é dar à universidade juntamente com a prefeitura e a sociedade obidense uma casa nova, pois, entendemos a necessidade de construir num espaço em que ela possa expandir, sem com isso precisarmos sacrificar nenhuma escola ou nossas crianças.

Igualmente grave foi a forma desrespeitosa com que os membros da comissão foram tratados pelo poder público municipal, porquanto a despeito dos mesmos estarem empenhados num trabalho de forma voluntaria e despretensiosa foram informados por um órgão de comunicação da destituição da comissão, no momento em que membros da comissão estavam reunidos com o Reitor da UFOPA – a quem tivemos de recorrer em busca de esclarecimentos. E mais, os mesmos foram acusados de “macular o nome de Óbidos!” certamente referindo-se ao pedido de esclarecimento, solicitado ao Magnifico Reitor, entretanto qualquer leitura acurada do texto em exame, constatará que o mesmo representa a legítima preocupação com a implantação da UFOPA em Óbidos e que os fatos apresentados não estão desvinculados da realidade.

Os autores do pedido de esclarecimento nada de novo relatam. Comentam-se fatos que fazem parte da história desta cidade. Lamentáveis, lastimáveis e deploráveis, mas também inqüestionáveis.

O Direito de ser informado e receber esclarecimento é o que permite acompanhar o que se passa nos Órgãos estatais, devassando o que muitas vezes está oculto e sonegado aos olhos do povo, permitindo a sociedade acompanhar fatos e atos de seu interesse e acautelar-se de possíveis atitudes temerárias.

A censura ao direito de informação não orna com a democracia, porquanto, são as ditaduras que sustentam suas leis pelo uso da força, da repressão, da imposição do silêncio. Ao revés as democracias sustentam-se no diálogo franco e aberto, no questionamento crítico de sua ordem vigente, na pluralidade de opiniões como uma das premissas para o exercício da cidadania. Nas ditaduras um grupo restrito impõe a maioria as suas opiniões calando os incômodos. Nas democracias os temas, ainda que embaraçosos, são discutidos a fundo de maneira transparente por todos os interessados.

Mais não será uma decisão administrativa que nos afastará da luta pela implantação de um campus universitário em Óbidos, que não seja fruto de remendos e improvisações, mais um espaço digno da grandeza de nosso povo e fruto do nosso esforço e do amor pela nossa terra. Pois antes de sermos integrantes de uma comissão somos obidenses.

Não aceitaremos viver sitiados em nossa terra e nem aceitaremos grilhões e censuras como se as mazelas do nosso tempo fossem superiores as nossas forças nem acabaremos por sentenciar: "é assim mesmo, não tem jeito, fizemos tudo o que estava ao nosso alcance!", porquanto, é preferível antes “morrer de pé do que viver de joelhos”.

A essa atitude falará, com maior sensibilidade, por nós o poeta Eduardo Alves da Costa, “No caminho, com Maiakovski", Eis:

Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada. (...)

Olho ao redor e o que vejo e acabo por repetir são mentiras. Mal sabe a criança dizer MÃE e a propaganda lhe destrói a consciência. A mim, quase me arrastam pela gola do paletó à porta do templo e me pedem que aguarde até que a Democracia se digne aparecer no balcão. Mas eu sei, porque não estou amedrontado a ponto de cegar, que ela tem uma espada a lhe espetar as costelas e o riso que nos mostra é uma tênue cortina lançada sobre os arsenais.

Vamos ao campo e não os vemos ao nosso lado, no plantio. Mas ao tempo da colheita lá estão e acabam por nos roubar até o último grão de trigo.

Dizem-nos que de nós emana o poder mas sempre o temos contra nós.

Dizem-nos que é preciso defender nossos lares mas se nos rebelamos contra a opressão é sobre nós que marcham os soldados.

E por temor eu me calo, por temor aceito a condição de falso democrata e rotulo meus gestos com a palavra liberdade, procurando, num sorriso, esconder minha dor diante de meus superiores. Mas dentro de mim, com a potência de um milhão de vozes, o coração grita – MENTIRA”

A todos os nossos agradecimentos



A Comissão Pró Construção da UFOPA / Óbidos

domingo, 22 de novembro de 2009

UFOPA, Site Oficial

Acesse

Veja quem de fato Compõe a Comissão de Implantação da UFOPA

Acesse

Projeto de Lei que Criou a UFOPA. Óbidos está no Projeto e este não teve vetos. Assim sancionado, a Implantação da UFOPA em Óbidos é Lei. Não perderemos sem aprovação da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Presidente da República. Além do mais, nós construiremos O prédio para sediá-la, FAÇA SUA DOAÇÃO.

                    COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA
                    PROJETO DE LEI NO 2.879, DE 2008


                                            Dispõe sobre a criação da
                                      Universidade Federal do Oeste do Pará –
                                      UFOPA,     por    desmembramento        da
                                      Universidade Federal do Pará – UFPA e
                                      da Universidade Federal Rural da
                                      Amazônia – UFRA, e dá outras
                                      providências.

                                      Autor: Poder Executivo
                                Relator: Deputado LIRA MAIA

I - RELATÓRIO
                O Projeto de Lei no 2.879 de 2008, de autoria do Poder Executivo, propõe a criação da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, por desmembramento da Universidade Federal do Pará – UFPA, criada pela Lei no 3.191, de 2 de julho de 1957, e da Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, criada pela Lei no 10.611, de 23 de dezembro de 2002, com natureza jurídica de autarquia, vinculada ao Ministério da Educação, e sede e foro no Município de Santarém, no Estado do Pará.
                A partir dos cursos já oferecidos nos Campus da UFPA em Santarém e da Unidade Descentralizada da UFRA/Tapajós, A UFOPA terá por objetivo ministrar ensino superior, desenvolver pesquisas nas diversas áreas do conhecimento e promover a extensão universitária da região Oeste do Pará.
               Os corpos docente e discente dos campus de Santarém e da UFRA/Tapajós, serão automaticamente absorvidos na nova estrutura da UFOPA a ser criada.
                 A proposição trata ainda da estrutura do novo quadro de pessoal, através da criação de: quatrocentos e trinta e dois cargos efetivos de professor da carreira   de  magistério   superior;  cento   e  vinte   cargos efetivos técnico - administrativos de nível superior; duzentos e doze cargos efetivos técnico - administrativos de nível médio; quarenta e um cargos de direção (CD); cento e setenta funções gratificadas (FG); e dos cargos de Reitor e de Vice-Reitor.
                 A criação da UFOPA, de acordo com o Poder Executivo, possibilitará um novo e poderoso impulso para a modernização e para o desenvolvimento sustentável daquela importante região do Estado do Pará, historicamente marcada pelo extrativismo vegetal e mineral e pelo baixo índice de desenvolvimento humano, resgatando um rico acervo de tradições culturais.
                 O Executivo justifica ainda, que a expansão da rede de ensino superior e a ampliação do investimento em ciência e tecnologia irão promover a inclusão social, constituindo objetivos centrais do governo federal para o desenvolvimento e para interiorização do Ensino Superior Público no País.
                 Do ponto de vista orçamentário, o Executivo argumenta que tanto a implantação da UFOPA como o provimento dos cargos do seu quadro de pessoal e a   compra    dos   equipamentos     necessários   ao   seu    funcionamento   estão condicionados à existência prévia de dotação orçamentária, conforme disposto no § 1o do art. 169 da Constituição Federal, porém, por iniciativa deste parlamentar, foi incluído no PPA/2008, as metas para implantação da UFOPA.
                 Segundo o Executivo, o modelo institucional e acadêmico multicampi, a ser adotado na implantação da UFOPA, permitirá a exploração do potencial sócio-ambiental de cada subespaço da região oeste do Estado do Pará, servindo, ao mesmo tempo, de pólo integrador desses subterritórios.
                A presente proposição foi aprovada sem alterações pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados.
                Cabe a essa Comissão de Educação pronunciar-se quanto ao mérito da presente proposição.
                No prazo regimental não foram apresentadas emendas nesta Comissão.
                É o relatório.
II - VOTO DO RELATOR
             No ano de 1957, o Presidente Juscelino Kubitschek sancionou no Teatro da Paz em Belém/PA, a Lei 3.191/57, criando a Universidade Federal do Pará agregando sete faculdades então existentes no Estado à época.
             Passados mais de 50 anos, a UFPA tornou-se referência nacional, principalmente, devido à qualidade do ensino oferecido. Seu projeto de expansão, implantado em 1986, incluiu a criação de diversas unidades descentralizadas que, embora mantenha a qualidade do ensino, não consegue atender a enorme demanda do Interior do Estado.
             Somente no Campus de Santarém, são disponibilizados os cursos de Letras, Matemática, História, Geografia, Pedagogia, Biologia, Processamento de Dados, Direito e Física Ambiental e, mais recentemente, foram instaladas as unidades descentralizadas nos Municípios de Itaituba, Oriximiná, Monte Alegre, Óbidos, Alenquer, Curuá e Almeirim.
             O Campus Universitário de Santarém conta com oito faculdades, mais de 2000 alunos, 65 professores efetivos da carreira do magistério de nível superior, onde mais de 80% destes possuem pós-graduação em nível de mestrado e/ou doutorado. O corpo técnico é composto de 23 pessoas altamente qualificadas.
             Já a Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, sucessora da Escola de Agronomia (1951-1972) e da Faculdade de Ciências Agrárias do Pará (1974-2002), vem ao longo dos anos, dando uma enorme contribuição para o desenvolvimento regional, em especial da Amazônia, formando recursos humanos voltados às Ciências Agrárias e ao desenvolvimento sustentável da região amazônica, dos quais já ocupam cargos de destaque no cenário político nacional.
             São incontestáveis os resultados dos trabalhos realizados pela UFPA e pela UFRA no interior do Pará durante suas existências. Estes trabalhos possibilitam que o Governo do Estado implantasse o ensino médio regular em todas as sedes dos municípios paraenses expandindo o ensino médio na modalidade modular para centenas de comunidades rurais nas diferentes regiões do Pará. Só no Município de Santarém, são 40 (quarenta) comunidades rurais com ensino médio na modalidade modular.
             Em razão da interiorização do ensino médio no Estado do Pará, os projetos de expansão da UFPA e da UFRA, não têm sido suficientes para atender a demanda pelo ensino superior no interior do Estado.
             Fica latente a necessidade de criação de mais uma Universidade Federal no Estado do Pará, no caso, a Universidade Federal do Oeste do Pará.
             Ressalto que essa preocupação está diretamente vinculada ao desenvolvimento sócio-econômico do Estado e, em 2006, o Senador Flexa Ribeiro apresentou no Senado o PLS no 213/06 que “autoriza o poder executivo a criar a Universidade Federal do Oeste do Pará, com sede no Município de Santarém, por desmembramento da Universidade Federal do Pará”. O projeto foi aprovado no Senado Federal e seguiu para a Câmara dos Deputados.
             Na Câmara dos Deputados, tive a honra de ser o relator nesta Comissão de Educação, onde apresentamos um substitutivo transformando o projeto em indicação ao poder executivo.
              Em fevereiro de 2008, o governo federal encaminhou para esta Casa, o presente Projeto de Lei 2.879/08, que “dispõe sobre a criação da Universidade
Federal do Oeste do Pará - UFOPA, por desmembramento da Universidade Federal do Pará - UFPA e da Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA, e dá outras providências”.
              A criação da Universidade Federal do Oeste do Pará representa a importância de uma universidade pública no interior da Amazônia, como instrumento poderoso que ajudará a construir as bases sólidas de um processo crescente de desenvolvimento regional sustentável, uma imperiosa necessidade gerada pelo acelerado crescimento da população, industrialização, globalização e a conseqüente degradação dos recursos naturais na região.
              A implantação da Universidade aumentará os investimentos federais na região, refletindo no seu desenvolvimento social, econômico e cultural assegurando      inclusive, os   mais   diversos  investimentos    em   pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias voltadas diretamente para a região amazônica.
              Para os Municípios da região do Oeste do Pará – Alenquer, Almeirim, Altamira, Aveiro, Belterra, Brasil Novo, Curuá, Faro, Itaituba, Jacareacanga, Juruti, Medicilândia, Monte Alegre, Novo Progresso, Óbidos, Oriximiná, Placas, Porto de Moz, Prainha, Rurópolis, Santarém, Terra Santa, Trairão, Uruará e Vitória do Xingu – o benefício é evidente, com orçamento próprio, a Universidade Federal do Oeste do Pará, facilitará a implantação de novas unidades descentralizadas e quem sabe num futuro próximo, possamos ter uma unidade em cada Município.
              A instalação da Universidade do Oeste do Pará contribuirá, como disse acima, na dinamização da economia regional com um volume significativo de serviços que serão demandados gerando um número significativo de novos postos de trabalho e emprego diretos e indiretos intensivos em ciência e tecnologia e na economia local em geral.
              Mais importante do que isso, essa Universidade vai promover uma verdadeira revolução na educação básica, criando e ampliando as oportunidades para os jovens do Oeste do Pará, ajudando a produzir e acumular conhecimento científico e participando efetivamente da construção de uma sociedade mais justa e mais competitiva. Mais ainda: formará a base intelectual da nossa região e do futuro Estado do Tapajós.
              Nossos jovens não precisarão mais sair de nossa região em busca de oportunidades de estudo e principalmente, com o desenvolvimento gerado, em busca de oportunidades de emprego. Iremos formar nossos próprios profissionais com boa formação e capacitados para enfrentar os desafios que o mundo moderno exige.
              Ainda quanto à análise do mérito, o objetivo do Projeto de Lei no 2.879, de 2008, justifica os argumentos invocados para a criação da UFOPA, ensejando a criação de mais de quarenta novos cursos de graduação e o atendimento de mais de dez mil setecentos alunos nos cursos de graduação, mestrado e doutorado a serem oferecidos pela nova Universidade Federal, possibilitando a formação de uma mão de obra local altamente especializada e em quantidade suficiente para alavancar o desenvolvimento de toda a região Oeste do Pará, gerando novas oportunidades para àquela população.
              Não poderia deixar de expressar que tradicionalmente, devido à vontade claramente expressada pela população da região oeste do Estado do Pará, o nome da Universidade seria UNIOESPA, mas, para não gerar nenhum entrave político que possa resultar na demora da tramitação do Projeto em tela, não irei propor nenhuma alteração no texto oriundo do Poder Executivo, porém, deixo manifestada esta vontade da população do Oeste do Pará quanto à sigla da Universidade a ser criada.
              Por fim, a criação da Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA, por desmembramento da Universidade Federal do Pará e da Universidade Federal Rural da Amazônia, resgata um compromisso histórico que o governo está a dever com a população e principalmente, com a juventude da região Oeste do meu Estado.
                Face do exposto, votamos, no mérito, pela aprovação do Projeto de
Lei no 2.879, de 2008.
                                                              

                      Sala da Comissão, em    de    2008.

                                       Deputado Lira Maia
                                             Relator

sábado, 21 de novembro de 2009

Ata da Reunião em que ficaram definidas as comissões de trabalho e a Coordenação Geral da comissão Pró UFOPA

ATA DA REUNIÃO DA COMISSÃO PRÓ - CONSTRUCAO DO CAMPI DA UFOPA NO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS, CRIADA ATRAVÉS DO 
DECRETO Nº 709, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009.

Aos dezenove dias do mês de outubro de dois mil e nove, às dezoito horas e quarenta e cinco minutos, no auditório da Secretaria Municipal de Educação, sito a Travessa Bom Jesus, s/n, Centro, aconteceu reunião entre o Excelentíssimo Sr. Prefeito Municipal de Óbidos, Jaime Barbosa da Silva, Vice-Prefeito Sr. Raimundo Cardoso de Araújo, Secretário Municipal de Planejamento Orçamento e Finanças, Sr. José Julio Maciel Pinto, Secretário Adjunto de Educação, Sr. Ronivaldo de Lima Brelaz e a Comissão Pró-Construção do campi da UFOPA no município de Óbidos, composta pelos membros citados do referido Decreto. Assumiu a presidências dos trabalhos o Sr. Prefeito Jaime Barbosa da Silva que convidou a mim, Raimundo Nonato Vieira Mamede para secretariar esta reunião. Após o Sr. Presidente dar boas vindas a todos os presentes, o Sr. José Julio Maciel Pinto iniciou os trabalhos apresentando slides com as seguintes propostas: Criação das Comissões, Local da Construção, data das reuniões ordinárias da Comissão. Foram colocadas em discussão as propostas, ficando decidido o seguinte: As reuniões serão realizadas quinzenalmente, às dezoito horas, no auditório da Casa de Cultura. Foram criadas as seguintes comissões: Coordenação Geral, formada por um membro do Executivo e um Membro do Legislativo mais oito membros das demais comissões, sendo: Giovane Bentes Giordano, João Neto Souza Rodrigues, Robenizia da Moda Correa, Vanildo Goes Santos, Elinaldo Santos Florenzano, Raimundo Rubens de Barros Vaz, Márcio Rubens da Silva Gomes e Clécio Roberto de Souza Monteiro, Comissão de Divulgação formada pelos seguintes membros: Vagner de Sena Ferreira, Rubenita Queiróz Ferreira, Clécio Roberto Monteiro de Souza, Aline da Silva Ferreira, Marlize Costa Lopes, Ducirene Barbosa Araújo, Silvia Maria de Mesquita Silveira, Rafael Patrick Silva Siqueira, Maria de Fátima Souza da Silva, Maria Regina Ribeiro Bello, Izanice Queiróz da Rocha, Derinaldo Câncio Biá, Edsérgio de Moraes Pinto e Márcio Rubens da Silva Gomes; Comissão de Obras, formada pelos membros: Pedro Ferreira de Souza Santos, Avelino Souza da Silva, Raimundo Rubens de Barros Vaz e Elinaldo dos Santos Florenzano; Comissão de Arrecadação, formada pelos seguintes membros: Vicente de Paula Amaral Figueira, Robenizia da Moda Correa, Ariana Claudia Barros, Antonio Carlos Pereira Lopes, José Barbosa da Silva, Roberto Araújo Silveira Filho, Maria do Socorro Vieira Caldeira, Raimunda Aldamira Vieira de Sena, Vanildo Goes Santos, João Joaquim Bentes do Amaral e Adelaide Aquino Tavares; Comissão de Contabilidade e Prestação de Contas, formada pelos seguintes membros: Corino da Silva Guerreiro Neto, Maria Elizabeth Carvalho de Azevedo, Giovane Bentes Giordano, Juenilson Brito Borges, João Neto Souza Rodrigues, Abieses de Souza Matos e Jaime Bentes do Amaral. Concluída a formação das comissões e nada mais havendo a tratar, o Sr. Jaime Barbosa da Silva, encerrou a reunião. E eu Raimundo Nonato Vieira Mamede, lavrei a presente ata, que após lida e aprovada será assinada por todos os presentes. Óbidos (Pa), dezenove de outubro de dois mil e nove.

Ata da Reunião do Paroquial em 13/10/2009, onde foi deliberada a Construção do Prédio da UFOPA / Óbidos

Ata da reunião para a discussão sobre a implantação do Campi da Universidade Federal do Oeste do Pará- UFOPA em Óbidos.


Aos treze dias do mês de outubro de dois e mil e nove, as dezenove horas realizou-se a reunião no Salão Paroquial, sito a rua Dep. Raimundo chaves S/N, entre o Exmo Sr. Jaime Barbosa da Silva Prefeito Municipal , Vice- Prefeito Raimundo Cardoso de Araújo, Secretário Municipal de Educação profº Edson Silva de Pádua, Secretário de Planejamento Sr. José Júlio Maciel Pinto e a comunidade obidense para discussão sobre a implantação do Campi da Universidade Federal do Oeste do Pará UFOPA em Óbidos. O Exmo Sr. Jaime Barbosa da Silva Prefeito Municipal, cumprimentou os presentes e passou a explanar assuntos relacionados a implantação do Campi da UFOPA e da possibilidade do avanço da educação e desenvolvimento do município. O Prefeito disse que não é questão partidária; considerou importante a presença das crianças na reunião; falou das decisões que precisam ser conjuntas, discutidas com a comunidade. O profº Edson Silva de Pádua Secretário Municipal de Educação, falou da solicitação feita na Conferência Municipal de Educação de Universidade Pública no Município e atendendo a necessidade do município participou de reunião em Santarém defendendo a possibilidade de implantação do Campi da UFOPA em Óbidos. Disse que o Prefeito foi a Belém discutir a necessidade da implantação da Universidade, onde Óbidos foi contemplada como núcleo. Informou que participou da reunião no dia cinco de outubro com representante do MEC onde estiveram o Exmo Sr Jaime Barbosa da Silva Prefeito Municipal, profº Ronivaldo de Lima Brelaz Secretário Adjunto de Educação, a profª Raimunda Aldamira, a profª Gracenilda de Azevedo e o profº Rosângelo Oscar Vieira de Matos. Nessa reunião, o Senador Flexa Ribeiro, confirmou a implantação do Campi Universitário em Óbidos, no dia seis de outubro o Senado Federal aprovou a UFOPA como Universidade Federal do Oeste do Pará, no entanto a implantação do Campi da UFOPA em Óbidos está dependendo desta discussão tendo como referencia a Escola Municipal de Ensino Fundamental José Veríssimo para sediar a Universidade, disse que, os alunos podem ser distribuídos nas escolas do entorno, Madalena Printes, Duque de Caxias e José Toste, pois quase metade dos alunos são de outros bairros. Por outro lado será feita a distribuição dos servidores sem prejuízos de suas cargas horárias. Encerou sua fala sugerindo para a platéia, dez pessoas para fazerem um debate, sendo cinco para defender a idéia do funcionamento da UFOPA na Escola José Veríssimo e cinco pessoas se posicionarem ao contrario, e convidou a profª Ruth Viana para fazer a mediação, a mesma organizou a cronometragem por pessoa. E convidou os voluntários para se apresentarem e dar início ao debate. Foi combinado dez minutos para cada defesa. Se posicionaram a favor para defender a idéia do funcionamento da Universidade na Escola José Veríssimo: a profª Edilza, o aluno Patrick, a profª Zaneide, aluno José Augusto e a Srª Evanira. Posicionaram-se contrário Sr. Vinicius, a profª Izanice, o profº Vanildo, o profº Giovanne Giordano e o Sr. Marcio Pinto. O Sr. Vinicius Lopes iniciou sua fala parabenizando a atitude da implantação da Universidade em Óbidos, mas se colocou ao contrario em funcionar na Escola José Veríssimo dizendo que, o Prefeito teve tempo de sobra para se organizar, mas não planejou. A profª Edilza se pronunciou a favor ao funcionamento da Universidade na Escola José Veríssimo dizendo que ninguém chega tão longe sem dar o primeiro passo, e que dessa oportunidade não temos que abrir mãos. O Sr. Macio Pinto, disse que a Escola José Veríssimo é muito importante para a comunidade obidense e não deve ser fechada, assim como não podemos perder a Universidade em Óbidos, sugeriu mobilizar a comunidade à construir um prédio para a Universidade. O aluno Patrick colacou-se a favor do funcionamento da UFOPA na Escola José Veríssimo, disse que pessoas sem condições financeiras não podem estudar fora do município e por essa razão não vê nada de errado funcionar a Universidade na Escola José Veríssimo, disse que por experiência própria tentou seguir seus estudos em outro município, mas ficou impossibilitado por não ter recurso financeiro. A profª Izanice pronunciou-se contra ao funcionamento da UFOPA na Escola José Veríssimo, disse que não se preocupa apenas com o prédio, mas o que está em jogo são as crianças e é preciso sensatez para tomar certas decisões e ter consciência do que fazer, não é contra a implantação da Universidade e nem devemos abrir mãos disso, devemos arregaçar as mangas porque isso é importante para todos, disse também que já tivemos a Universidade Federal Fluminense, a Universidade Federal do Pará, mas nunca tivemos coragem para mobilizar a comunidade e se pensar em construir um prédio para a Universidade, propõem ao Poder Executivo que verifique a possibilidade de uma área para construção de um prédio da Universidade que seja longe ou perto, através de mobilização pode se fazer a campanha do tijolo, buscando apoio a toda comunidade. A profª Zaneide disse que é graduada em uma Universidade Particular por que foi contemplada com uma bolsa do Governo Federal por ter bom desempenho no ENEM, somente assim conseguiu fazer um curso superior por que sua situação financeira não lhe ofereceria condições para estudar fora, parabenizou o Exmo Sr. Prefeito e o Secretário de Educação por essa iniciativa, falou da importância das escolas urbanas e rurais, que o privilégio de melhor desempenho no IDEBE, não é do prédio e sim dos professores, a qualidade de ensino não depende apenas de estrutura física. Disse que a Universidade vai precisar ampliar, mas o importante é implantar, perguntou se existirá condições de construir um prédio até janeiro? Quem vai contribuir? Espera sensibilidade e sensatez para tomarem decisão melhor para o nosso povo. O profº Vanildo, disse que a vinda da Universidade é importante, não podemos perder, e que não podemos perder também a Escola José Veríssimo, e sim priorizar e construir mais escolas na periferia, disse que a Escola José Veríssimo não tem espaço fisco para atender a necessidade de uma Universidade e que se a comunidade se juntar poderá construir um prédio para a Universidade. O aluno José Augusto, disse que mora em casa de família para poder estudar, pretende cursar o ensino superior, mas não tem condições financeiras para estudar fora por isso é de acordo com o funcionamento da Universidade na Escola José Veríssimo, que não devemos abrir mão da Universidade, se a Escola José Veríssimo não tem estrutura física, não é estrutura física que faz a qualidade de ensino e sim como o profº desempenha seu trabalho. O profº Giovanne Giordano, disse que é de louvar cada professor que lhe ensinou e defende que não seja fechado nenhuma escola do município, que não devemos perder nem a Escola José Veríssimo e nem a Universidade UFOPA, parabenizou o esforço pela forma como está sendo colocada a discussão para chegar a um acordo, disse que devemos abraçar e ajudar o Poder Público, que está pronto para ajudar a angariar fundo para construção de um prédio para a Universidade. A Sr. Evanira, sugeriu que podemos entrar em acordo para construir um prédio para Universidade. Após a discussão o Exmo Sr. Prefeito Municipal Jaime Barbosa da Silva, disse que foi importante a discussão que através das colocações observa-se o potencial do povo obidense, e que o objetivo da reunião foi provocar a comunidade para se manifestar, disse que foi discutido entre o Reitor Alex, varias vezes para trazer a Universidade para Óbidos e que ainda temos dúvidas dos cursos anteriores, que assumiu a responsabilidade de pagar as dívidas atrasadas. Disse que a Escola José Veríssimo é patrimônio do Estado e se for implantado a Universidade será provisório, foi feita essa discussão para que a comunidade assuma junto do Poder Público essa luta. Explicou que o Campus de Óriximiná foi financiado pela Mineração Rio do Norte e o de Juruti pela ALCOA, concorda com a proposta em construir o prédio da Universidade e disse que tem uma área para construção, falou que irá fazer um projeto para a Universidade mais bonita da região, disse também que será constituída uma comissão para fazer arrecadações de recursos e materiais para construção da Universidade. No momento o prof° Giovanne Giodarno, doou cinco mil tijolos e comunicou que a comunidade José Veríssimo, também estava doando cinco mil tijolos e mais cinqüenta sacos de cimento, o Exmo Sr. Jaime Barbosa da Silva convidou o Sr. Genevaldo de Araújo, Secretário de Administração para relacionar os membros que se colocaram voluntariamente para formar a comissão, encerrou a reunião, e eu, Raimundo Nonato Vieira Mamede, lavrei a presente ata. Óbidos (PA), 13 de Outubro de 2009.

Cedida pela SEMED / Óbidos

INTEGRANTES DA COMISSÃO PRÓ CONSTRUÇÃO DA UFOPA / ÓBIDOS

Acesse Cópia do Decreto N° 709 que criou a Comissão pró Construção da UFOPA / Óbidos
http://www.obidos.pa.gov.br/portal1/municipio/noticia.asp?iIdMun=100115082&iIdNoticia=143290

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

A UFOPA ÓBIDOS É LEI

LEI Nº 12.085, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2009.

TODOS UNIDOS PELA UFOPA

UFOPA / ÓBIDOS,
POVO UNIDO PARA CONSTRUIR


A Comissão Pró - Construção do Prédio da UFOPA - Óbidos solicita o apoio e a contribuição das diversas Categorias de Profissionais, Instituições, e Atividades Profissionais, como: Profissionais Liberais, Motoristas, Taxistas, Mototaxistas, Pescadores, Pedreiros, Carpinteiros, Oleiros, Comerciantes, Artesãos,Trabalhadores da Educação, Estudantes, Padeiros, Açougueiros, Sindicatos, Camelôs, Farmacêuticos, Empresários, Comerciários, Carroceiros, Associações de Cunho Social, Atlético e Recreativo, Conselhos Escolares, Órgãos de Imprensa, Conselhos Comunitários, Produtores Rurais, Movimentos de Classe, Pastorais, Paróquia, Prelazia, Domésticas, Internautas, Filhos e Amigos de Óbidos e Comunidade em Geral que direta ou indiretamente serão beneficiados com a construção do CAMPI UNIVERSITÁRIO no município de Óbidos, que será localizado próximo ao Aeroporto, em área de 25 hectares Já doada pela Prefeitura Municipal, veja a imagem abaixo.

Percebemos que é necessário nos UNIRMOS em defesa desta causa porque precisamos entender que Óbidos vai crescer e por que não crescer entorno da UFOPA? Porque não termos a economia voltada em parte para o desenvolvimento local? já temos os exemplos de cidades como Oriximiná, Santarém que os Campi surgiram em áreas mais afastadas, mas que hoje, alguns anos após a implantação possuem toda uma estrutura socioeconômica com valorização imobiliária, transporte com maior qualidade, comércio no entorno, serviços e outros que mudaram a realidade daqueles municípios para melhor. Então, VAMOS CONSTRUIR A UFOPA E GARANTIR VIDA MELHOR PARA O POVO DE ÓBIDOS.

      
ACESSE AS CONTAS E FAÇA SUA DOAÇÃO


A COMISSÃO PRÓ CONSTRUÇÃO DA UFOPA / ÓBIDOS (Universidade Federal do Oeste do Pará), decreto municipal nº 709 / 2009. 

terça-feira, 17 de novembro de 2009

CARTA ABERTA A SOCIEDADE OBIDENSE

A COMISSÃO PRÓ CONSTRUÇÃO DA UFOPA-ÓBIDOS, vem tornar público alguns esclarecimentos pertinentes e necessários a toda a população Obidense.
Somos uma comissão formada a partir de uma Assembléia Popular realizada no dia 13 de Outubro de 2009, nomeada sob o Decreto Municipal nº 709/2009.
Defendemos a mesma proposta: CONSTRUIR UM ESPAÇO PARA FUNCIONAR A UFOPA E NÃO PERMITIR O FECHAMENTO DE NENHUMA ESCOLA NO MUNICÍPIO.
Porque entendemos que uma Universidade, como o próprio nome sugere, é um Universo, entretanto, a sugestão do poder público seria no primeiro momento “Fechar ou Transformar” a Escola Municipal José Veríssimo “nesse Universo” – Na Universidade. Como pais de alunos, funcionários, e a própria comunidade desse educandário fomos contra esse fechamento. Daí é que se deu a discussão em uma Assembléia Popular no Salão Paroquial. Naquele momento após muita discussão o Prefeito Municipal acatou a proposta daquela comunidade, doou o terreno e se comprometeu juntamente com a população a fazer uma grande campanha de arrecadação de recursos financeiros e materiais para a construção do prédio para a Universidade, e daí então, um decreto municipal legitimou a criação da comissão que coordena os trabalhos de arrecadação e construção do referido prédio.
Porém, essa comissão, não representa apenas o Bairro Centro, não representa um Partido Político, não se formou somente por pais de alunos, funcionários ou professores da Escola José Veríssimo, não representa uma classe social (dos ricos e doutores como andam dizendo por aí), nem tampouco representa a oposição ao governo municipal e nem defendeu ou defende apenas o não fechamento da Escola José Veríssimo, nos propomos a defender qualquer escola que venha a ser cogitado o seu fechamento.
O que acontece hoje no município é que após diversas reuniões para acertos burocráticos para então ser lançada a campanha de arrecadação e por fim dar início as obras, surge uma nova comissão sem o respaldo da sociedade obidense propondo o fechamento de outro educandário desta vez a ESCOLA RAYMUNDO CHAVES.
Somos terminantemente contra qualquer possibilidade de fechamento de escolas, sejam elas no bairro centro, ou cidade nova, ou Terezinha, ou em qualquer outro bairro da cidade. O nosso objetivo é construir um prédio com 4 salas de aula, 1 Auditório para 150 pessoas e um Bloco Administrativo para o funcionamento da UFOPA, na área já definida pelo Prefeito Municipal, que fica no Bairro do Perpétuo Socorro entre a Serraria Auzier e a propriedade do Sr Edgar Leão e que mede 25 hectares.
Sempre quisemos a UFOPA em nosso município, somos pais, já tivemos que deixar um dia nossa família para cursar uma Universidade, hoje, temos a oportunidade de ficar perto de nossos filhos, pois eles terão a chance de cursar um nível superior aqui, perto de nós. Entretanto, não podemos permitir que não seja garantida aos nossos filhos uma educação básica de qualidade, por que do contrário estaremos abrindo as vagas da UFOPA- ÓBIDOS para filhos de outras terras. E também, não podemos permitir que uma conquista dessa tão importante para nós obidenses, chegue a nosso município com a mácula do fechamento de uma escola.
Vamos refletir! Não queiramos comparar nosso município a municípios vizinhos, a realidade deles é outra, eles podem ceder escolas por que eles têm escolas disponíveis, sem a quantidade de alunos necessária para funcionar e com todas as características que a Universidade exige.
Vejamos as nossas escolas, visite a escola do seu filho, veja com sensatez se nela cabe uma universidade, lembre-se que a mesma deve ser pensada como um universo de possibilidades veja também se na escola do seu filho cabem mais 10 ou 20 alunos por sala, além dos que já estão lá, observe a estrutura física da escola do seu filho, é o modelo de escola que você sonhou para ele? Convenhamos, se não está dentro dos padrões da escola pública que gostaríamos para nossos filhos, imaginem se está dentro do padrão de uma Universidade.
Você professor, que sempre defendeu uma escola pública de qualidade, com estrutura física adequada, salas arejadas, com recursos pedagógicos disponíveis, salários compatíveis com a função e turmas com um número adequado de alunos para que seja possível desenvolver o seu melhor trabalho, reflita e junte-se a nós na proposta de construção de uma Universidade com possibilidades de crescimento e diga não ao fechamento de escolas sucateadas e superlotadas.
Veja nessa proposta que nós apresentamos à alternativa mais acertada, mais coerente e mais humanamente correta, pois, demonstraria que aqui somos um povo unido em prol da educação e do desenvolvimento de Óbidos.
Abracemos essa causa, vamos nos mobilizar e mostrar que somos um povo forte e determinado naquilo que queremos para nós e para as futuras gerações.
Não deixemos que pessoas sem o menor compromisso com a educação arranquem a escola de nossos filhos.
VAMOS NOS UNIR E CONSTRUIR UMA UNIVERSIDADE PARA TODOS, MAS SEM FECHAR NENHUMA ESCOLA. JUNTE-SE A NÓS, VAMOS DEFENDER O NÃO FECHAMENTO DA ESCOLA RAIMUNDO CHAVES.


Comissão Pró-Construção da UFOPA/ÓBIDOS, Decreto Municipal nº 709/2009.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Por que surgiu essa proposta?

Esta proposta surgiu como resposta da população de Óbidos, que quer a implantação de um Campi da UFOPA no município, mas como as possíveis alternativas de espaço físico seriam as Escolas locais, a Comunidade da Escola José Veríssimo, não concordando com o suposto fechamento da mesma, propôs a Construção do Prédio em área a ser doada pela Prefeitura Municipal e que seja suficiente para crescer futuramente e atenda às demandas de uma Universidade Federal Pública.